Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Noviactual

MENU

5569batismo.jpg

 

No dia em que se celebra a solenidade de São João Batista, fieis católicos rumam a Ribeira de Julião para participar nas celebrações eucarísticas. O ponto mais alto das festividades é, sem dúvida, a eucaristia que acontece as 16 horas.

 

João Batista era filho de Isabel e Zacarias. O filho de Isabel, prima da Virgem Maria, anunciava a vinda do “Messias”. João batizava muita gente na margem do rio Jordão, e num desses dias Jesus apareceu e foi também batizado pelo seu primo. João foi preso e morto, a pedido da filha do Rei Herodias, a sua cabeça foi entregue ao rei, numa bandeja de prata.

DSCF4662.JPG

 

Neste 13 de maio, em São Vicente, os fiéis católicos rumaram ao Mato Inglês, local onde se encontra a capela de Fátima, em peregrinos com a imagem de Nossa Senhora de Fátima.

 

Pela manhã, a partir da rotunda de Ribeira Bote, onde se deu a concentração, os fiéis começaram a caminhada passo a passo cantando e rezando.

 

O caminho é longo, cerca de 8 kms da cidade percorridos a pé mas a alegria é muita como relatam alguns peregrinos.

 

 

Chegando lá, ao Mato Inglês, apesar de algum cansaço via-se alegria no rosto dos peregrinos e cada um procura o seu lugar, para no conforto possível, participar na missa.

 

20180513_104906.jpg

 

A celebração eucarística foi presidida pelo padre Benvindo. Na sua homilia falou da necessidade dos cristãos serem mais peregrinos do coração do que do caminhar.

“Hoje fomos peregrinos, ou seja, caminhando lado a lado para o encontro misericordioso com Deus, mas precisamos ser, mais ainda, peregrinos do coração e do amor seguindo o mandato do: ide pelo mundo, falar ao coração de cada homem, e desperta-lo para salvação gratuita de Deus”. Acrescentou na sequência que a nossa própria ascensão depende da nossa capacidade de fazermos com que todo o homem conheça Jesus, de sermos portadores de uma mensagem de paz e transformadora do homem.

 

O Padre Benvindo diz ser uma feliz coincidência celebrar hoje a Ascensão do Senhor, o 13 de maio e o dia da comunicação social. Esta coincidência disse o padre, nos vem chamar atenção para alguns aspetos importantes da nossa vida. “Que peregrino é que eu sou? Sou um peregrino de cada dia ou um peregrino de ano em ano. Se eu faço esta caminhada com cristo todos os dias ou se hoje completou um ano que cá vim e venho outra vez” acrescentou ainda que “muitas vezes viemos só com pedidos e nunca para dar e na verdade o que precisamos, muito mais do que pedir, é vir para dar”.

 

Seja como for, cumpriu-se mais uma romaria ao Mato inglês.

 

 

20180513_083658.jpg20180513_084828.jpg

 

poster-de-st-milagres.jpg

Foto:elo7.com

 

A Igreja católica celebra esta quinta-feira, 19, de abril o dia de santo Expedito, conhecido como o santo das causas justas e urgentes mas também como padroeiro dos militares, dos estudantes e dos viajantes.

 

Expedito nasceu na Arménia, era oficial do exército romano e comandava a 12ª Legião, estabelecida em Melitene, na Arménia. A legião tinha como missão defender as fronteiras orientais contra os bárbaros asiáticos e entre os seus soldados havia muitos cristãos.

 

No momento de sua conversão, conta-se que um espírito do mal, na forma de um corvo, veio tentá-lo dizendo "cras" - que em latim significa "amanhã", mas imediatamente Expedito pisoteou o corvo, gritando "hodie", ou "hoje", confirmando que não deixaria sua conversão para depois.

 

As imagens de Santo Expedito apresentam-no com traje militar, vestindo uma túnica curta e um manto. Em uma mão sustenta uma palma e na outra a cruz com a palavra "Hodie", em referência à sua conversão. Sob um dos pés está o corvo dominado e a palavra "Cras".

 

Com: educacao.uol.com

IMG_20180417_180157.jpg

 

“Reconciliados com Cristo, fermentos de um mundo novo” é tema da II semana teológica que a Diocese de Mindelo realiza em parceria com a escola de formação teológica para leigos. A semana acontece no auditório Onésimo Silveira, na Universidade do Mindelo, até a próxima sexta-feira, 20 de abril.

 

Na abertura, o Bispo de Mindelo, Dom Ildo Fortes afirmou que a reflexão pretende ser um lugar de confrontos de ideia e não de catequese “Queremos com esta semana teológica uma igreja, que se sabe, portadora de uma luz especial, de uma mensagem que não passa e, que quer dialogar com o mundo”.

 

“A função de existirmos é de verdadeiramente para sermos o Sal da terra, a luz do mundo como diz o Evangelho. Não se trata de fazer catequese, de estar na Sacristia é hora de sair e, isto faz-se também no confronto de ideias, no diálogo”, acrescentou o Bispo.

 

IMG_20180417_184742.jpg

 

Durante a conferência intitulada “A igreja católica cabo-verdiana e políticas publicas nacionais: Confronto e convergência para uma cultura da justiça e paz”, o conferencista Carlos Reis membro da comissão diocesana justiça e paz da Diocese de Santiago falou, de vários assuntos entre os quais, da violência e da injustiça.

 

Para Carlos Reis esses atos violentos “demasiado regular” e “demasiado frequente” é algo que está a surgir na sociedade que, por vezes “dizemos que é nossa mas quando postos perante factos dessa natureza, nós rejeitamos como uma sociedade que seja nossa, que algo que seja nosso possa “parir”, possa dar lugar, possa fazer emergir atos de tanta violência, de tanta crueldade e com a regularidade que temos vindo a assistir”.

 

Ao lado da violência acrescenta o conferencista, assistimos também uma insatisfação relativamente generalizada que é a falta de justiça.

Reis reconhece que a justiça humana tem erros mas acredita que a perceção da falta dela ou mesmo da “injustiça” é superior aquilo que, no seu entender, “deve poder corresponder com a realidade das nossas estruturas ligadas a justiça, apesar de ser um facto e de ser evidente que vários subsistemas do sistema maior da justiça precisam de correções e de intervenções de reforma”.

 

Ainda na conferência Carlos Reis fez referência a tendência evolutiva da dinâmica social no plano das desigualdades sociais.

papapascoa.jpeg

 Foto:vaticannews

 

Na mensagem de Páscoa, o Papa Francisco falou dos conflitos no mundo e pediu “frutos de paz para o mundo inteiro”.

 

Para o continente africano, o Papa Francisco, suplicou “frutos de esperança” pelas regiões “atormentadas pela fome”, por conta de “conflitos endémicos e do terrorismo”. O Papa pede também que “a paz do Ressuscitado cure as feridas no Sudão do Sul: abra os corações ao diálogo e à compreensão mútua. Não esqueçamos as vítimas daquele conflito, sobretudo as crianças! Não falte a solidariedade em prol das inúmeras pessoas forçadas a abandonar as suas terras e privadas do mínimo necessário para viver”.

 

O Papa Francisco pediu ainda, durante a bênção "Urbi et Orbi", na Basílica de São Pedro em Roma, fim do “extermínio” na Síria, “cuja população se encontra exausta por uma guerra sem um fim à vista” e respeito pelos direitos humanitários.

O Santo Padre implorou “reconciliação” na Terra Santa e no Médio oriente, já para os venezuelanos, suplicou “Frutos de consolação”.

 

As crianças e os idosos não foram esquecidos pelo Papa Francisco que pede “Frutos de vida nova, Cristo Ressuscitado dê às crianças que, por causa das guerras e da fome, crescem sem esperança, privadas de educação e assistência sanitária; e também aos idosos descartados pela cultura egoísta que põe de lado aqueles que não são «produtivos»”.

 

Para aqueles que têm responsabilidades políticas, o Papa implora “Frutos de sabedoria”, para que “respeitem sempre a dignidade humana, trabalhem com dedicação ao serviço do bem comum e garantam progresso e segurança aos seus cidadãos”.

 

Com: Vaticannews

English French German Italian Dutch

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

PUB