Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Noviactual

MENU


jovino.jpg                                 

“Nesse mesma luta” é título do mais recente trabalho discográfico do músico e compositor Jovino dos Santos. O Disco é lançado esta sexta-feira, 17, num conserto no Centro Cultural do Mindelo.

 

O Álbum gravado entre Mindelo, França e Áustria, tem 11 faixas musicais, a maioria de intervenção social como Cafezim d`fim de semana e Eden park. “Nesse mesma luta” é um disco de música tradicional de Cabo Verde mas traz também ritmos brasileiros como Samba.

 

Jovino dos Santos iniciou a sua carreira em 1974, atualmente tem vários discos gravados e sucessos como “Semana dentro, semana fora”, "Chiquinha”, “Santinha”  e “Júlia”. 

folclore.PNG

 

O lançamento oficial de “Folclore” acontece no dia 17 deste mês. O disco que traz ritmos tradicionais “é uma viagem rica e fértil pelos ritmos de Cabo Verde, vivências e influências que Cremilda Medina vai somando ao seu percurso e que agora se aventura a reunir no seu primeiro trabalho” lê-se num comunicado.

 

Folclore foi gravado entre Cabo Verde, Portugal e Estados Unidos da América e conta, na sua grande maioria, com produção musical de Kim Alves e participação de músicos de renome mundial.

 

No seu primeiro trabalho discográfico, Cremilda Medina explora ritmos cabo-verdianos como a morna e a coladeira, mas onde também se aventura pelo fado, numa composição “Sou Crioula” de José Eduardo Agualusa e música de Ricardo Cruz. Há também uma incursão por ritmos brasileiros, nomeadamente o samba, no tema “Berço d’Morabeza” de João Carlos Silva, e música de Anísio Rodrigues.

 

O disco estará em pré-venda nas lojas digitais a 10 de Novembro, o mesmo dia em que será lançado o seu segundo single, a morna “Sonho dum Crioula”, composta por Morgadinho.

Nis Wadada 2.jpg

 

Nish Wadada encontra-se em Zaragoza, Espanha, para atuar, esta sexta feira, no Up Reggae Dub Festival, acompanhada da banda Irregular Roots.

 

Wadada é cabeça de cartaz no festival que conta com a participação de vários artistas do reggae, como o coletivo Words Sound & Power de Inglaterra.

 

Nish encontra-se em digressão por Europa, naquele que é o seu terceiro tour, deste ano naquele continente.

 

Nish Wadada 1.jpg

 

“Cada dia entendo mais a minha missão de levar uma mensagem no feminino e, sobretudo, de levar a marca Cabo Verde a sítios, festivais, e muitos cenários virgens de conhecimento sobre a nossa realidade, identidade e história. Sinto me como uma embaixadora e orgulhosa.” lê-se numa nota que o Noviactual teve acesso.

 

Durante este mini tour, Nish Wadada vai aproveitar para entrar em estúdio e gravar vários singles para um projeto Espanhol e uma editora francesa.

 

Para 2018 já estão agendados shows em França, Alemanha, Portugal, entre outros, como o Dub Stone Festival, em Itália, e o Rastaplaas Festival, na Holanda.

 

Nish Wadada foi distinguida como Melhor Musica Internacional nos CVMA 2017, com a música Jah Calling.

imagjpg.jpg

 

Os 25 anos de carreira do artista cabo-verdiano Gil Semedo é comemorado com o lançamento de um duplo álbum com 25 êxitos históricos.  O Best Of conta ainda com dois inéditos: “SI BU KRE”, produzido pela Loonatic Boy e um funaná intitulado “SAKEDU NU FIKA, dueto com a Dina Medina.

 

Segundo uma nota que o Noviactual teve acesso, o artista reuniu a banda “The Perfects” para o acompanhar na digressão, de apresentação por África, Europa e América. E em breve será em Cabo Verde.

 

 

Gil Semedo nasceu Chã de Tanque, Santa Catarina na lha de Santiago, cedo imigrou com a família para Holanda.

 

Com 15 anos, imitando o seu ídolo e fonte de inspiração, Michael Jackson, foi um dos classificados para o final de um programa de televisão na Holanda.

 

Atuou em vários palcos na Europa, E.U.A. e África e o seu repertório inteiro é quase todo ele feito das suas próprias composições. Já vendeu cerca de 1.000.000 de álbuns e possui discos de prata, ouro e platina.

 

Em 2014, Gil Semedo completou 40 anos de idade, realizando um memorável show no Estádio da Várzea, na Cidade da Praia.

 

Elida Almeida, a menina dos olhos de Santa Cruz, foi a grande vencedora do Prémio descobertas RFI 2015. 

 

A galardoada receberá um prémio no valor de 10 mil euros, bem como digressões em África e França para promoção do seu trabalho.

 

O álbum “Ora dóci, ora margôs”, já rendeu a jovem cantora e compositora muitas alegrias: foi o prémio revelação CVMA 2015, participou em vários festivais nacionais e internacionais, a música “Nta Konsigui” faz parte da banda sonora da telenovela portuguesa “A única mulher” e, venceu hoje o prémio RFI Découvertes 2015.

 

Elida Almeida e Tcheka (em 2005) - dois artistas cabo-verdianos que conseguiram o prémio descoberta RFI.

 

Com RFI

English French German Italian Dutch

Sobre o autor

foto do autor

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Eliana de Oliveira

    Estou lendo o livro AFRICA. VIDA SELVAGEM e este l...

  • numadeletra

    Foi a minha estreia na leitura de Lídia Jorge e go...

  • Carmo

    Olá Maria, o disco pode ser encontrado nas livrari...

  • Maria Fraga

    Gostaria de saber como e onde posso comprar este ó...

  • Carmo

    Grande Morgadinho! Grande músico cabo-verdiano. A ...