Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Noviactual

MENU

Antes da chegada das lojas chinesas em Cabo Verde, a procura pelas sapatarias era maior. “Já teve dias melhores, a concorrência das lojas chinesas dificultou-nos a vida". A posição é defendida por quatro sapateiros, do ramo industrial e artesanal, que o Noviactual conversou: Manuel (Lelela), Toi, Carlos Delgado e Nelito.

Para além de fabricar e arranjar calçados, os sapateiros consertam uma gama de produtos desde estofos para carros e para sofás, carteiras, cintos, mochilas, bolsas, selim para cavalo e até bolas de futebol. Nas sapatarias quase tudo tem conserto.

As pessoas optam mais por comprar sapatos prontos nas lojas chinesas do que os personalizados, mesmo assim, depois vão conserta-los nas sapatarias.

 


- A oficina de Manuel “Calçados Lelela” no Monte Sossego, ainda consegue produzir para exportar: - “produzimos mais sapatos do que consertamos. Produzimos sandálias para Crianças, Senhoras e Homens. Recebemos encomendas de várias ilhas como Santiago, Sal, São Nicolau e Santo Antão”.

- A Oficina de Toi "Sapataria Toi" na rua da Craca na zona do Monte há muito que não recebeu uma encomenda, mas os pequenos arranjos aparecem sempre. Toi, marinheiro reformado, que exerce o ofício de sapateiro como hobby, garante que não conseguiria sobreviver apenas de sapateiro.

- A Oficina de Armando Pongo " Sapateria Delgado" situada no centro da Cidade, pertence agora ao filho Carlos Delgado. Este, garante que apesar das lojas chinesas ainda fabricam calçados: - “antes recebíamos mais encomendas, neste momento estou a fabricar umas botas para crianças com deficiência”.

 

- A Oficina de Nelito “Sapataria Nelito” no Monte Sossego, ainda consegue fabricar calçados: - “ainda confeccionamos sapatos. De vez em quando recebemos encomendas. Produzimos menos e consertamos mais (bolsas, malas, bolas, mochilas...).”

As lojas chinesas são ameaças para as sapatarias


Para Lelela “antes das lojas chinesas a venda era maior. Os produtos dos chineses não têm qualidade mas as pessoas preferem compra-los porque o preço é baixo”. Nelito afirma que “as lojas chinesas dificultaram e muito as nossas vidas”, Já Toi garante que “com a evasão das lojas chinesas praticamente estamos sufocados, agora é raro fazer sapatos”. Carlos Delgado afirma que “mesmo com as lojas chineses ainda conseguimos trabalhar”.

Os arranjos dos sapatos da china


A maior parte dos produtos para conserto são sapatos das lojas chinas que não dão o rendimento esperado confeçam: Lelela “as pessoas trazem sapatos para conserto só que muitas vezes são pequenas coisas que não dão grandes rendimentos”. Nelito afirma que “as pessoas compram nos chineses e tragam logo para conserto”. Toi assegura que “a maior parte dos nossos trabalhos agora é consertar sapatos da china”. Carlos Delgado garante que “muitos trazem sapatos da china para conserto, as vezes o conserto fica mais caro que o preço do sapato e alguns acabam por desistir”.

 

Os Materiais são caros e escassos 

 

Os sapateiros garantiram que a maior dificuldade é a falta de matéria-prima. Lamentam o facto de os preços serem elevados e da falta de jovens interessados em aprender o ofício “são poucas as pessoas que querem aprender, quem mais procura são os imigrantes da Costa africana residentes no Mindelo” disse Carlos da sapataria Armando Pongo. Já Toi garante que “os jovens preferem computador ao invés de aprender a arte de fazer sapatos”.

 

Cabedal, napa, cola, sola de borracho e pele são algumas das matérias-primas que se usam nas oficinas de calçados.

 

Para fazer sapatos é preciso “primeiro tirar as medidas, depois preparar a forma, fazer os moldes, cortar a peça... Isto não é tarefa fácil” disse Toi que acredita” é preciso ter muito jeito”.

 

Nota-se que com a chegada dos Chineses a fabricação por encomenda e arranjos de calçados diminuíram. As pessoas que optam por comprar sapatos nas lojas chinas frequentam muitas vezes as sapatarias para pequenos arranjos. Para alguns profissionais do ofício a sobrevivência do negócio está comprometida.

2 comentários

De João Sá a 17.07.2012 às 02:51

Bom dia Carmo :)

Este post está em destaque Na Rede na homepage do SAPO Cabo Verde (http://sapo.cv)

Lembro que poderá sempre ver o histórico dos destaques na homepage dos Blogs: http://blogs.sapo.cv/.

De Carmo a 17.07.2012 às 15:06

Olá João é sempre um gosto o blog em destaque. Boa semana

Comentar post

English French German Italian Dutch

Sobre o autor

foto do autor

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • Eliana de Oliveira

    Estou lendo o livro AFRICA. VIDA SELVAGEM e este l...

  • numadeletra

    Foi a minha estreia na leitura de Lídia Jorge e go...

  • Carmo

    Olá Maria, o disco pode ser encontrado nas livrari...

  • Maria Fraga

    Gostaria de saber como e onde posso comprar este ó...

  • Carmo

    Grande Morgadinho! Grande músico cabo-verdiano. A ...